/ Portal educacao / Blog do portal / Uso de terapias complementares para prevenção e tratamento da depressão

Uso de terapias integrativas y integrativas e



Os motivos referidos para a não utilização de TC neste trabalho vão ao encontro daqueles encontrados em outros estudos: falta de confiança na terapia e em tratamentos que não sejam realizados por médicos, medo do desconhecido e medo de efeitos colaterais 9,66.

OUSO DAS TERAPIAS ALTERNATIVAS POR

Na literatura, entre os motivos encontrados para uso de TC, estão complementação da medicina convencional, orientação médica, curiosidade em relação às TC, falta de dinheiro para aquisição da terapia convencional 6 , indicação de conhecidos, medo de efeitos colaterais provocados pela medicina convencional, presença de doença crônica, insatisfação com a medicina convencional 5 , abordagem holística e relacionamento médico-paciente baseado em apoio e confiança 6,8,68.

Termos de Uso - Espaço Terapias

Neste estudo, os motivos mais frequentemente alegados para utilização de TC também foram encontrados em outros estudos e foram indicação de pessoas próximas, ter fé na terapia, experiência anterior positiva com TC, necessidade de fazer alguma coisa para ajudar o filho, auxiliar a terapia convencional, evitar terapias agressivas, insatisfação com o tratamento convencional, dificuldades financeiras para compra de medicamentos, recomendação médica, testar a terapia e morar longe de centro médico. Losier et al. 7 , Spigelblatt et al. 8 e Yatsugafu 66 citam também a atenção mais personalizada e holística e o medo de efeitos colaterais dos medicamentos.

Terapias Complementares: Cromoterapia - Uso Terapêutico

Outras pesquisas relevantes que abordavam a temática do uso terapêutico dos animais foram feitas pelo psicólogo Boris Levinson a partir da década de 65. Dentre seus artigos está “O cão como no qual descreve experiências da atividade assistida por cães em seus pacientes. Levinson trazia os cachorros para seu consultório, especialmente no atendimento das crianças por reconhecer a melhora no desenvolvimento delas ao ter contato com um animal de estimação.

Neste estudo, os chás de camomila, erva-cidreira e funcho foram utilizados para tratar cólicas. Segundo Rogovik e Goldman 69 , o chá destas três ervas associado à verbena e alcaçuz é efetivo no tratamento de cólicas do lactente.

O uso de algumas escalas de medição, como Yin / Yang, Excesso / deficiência, forneceram as informações complementares sobre o estado dos meridianos e pontos.

A média da idade das entrevistadas foi 85,8 [desvio padrão (DP) = 7,9] e o número de filhos variou de 6 a 9, sendo a mediana 7 e a moda 7.

Agora vou com meu pêndulo sobre cada um dos elementos (madeira, fogo, terra, metal e água), para isolar o elemento, quando posicionei o instrumento sobre o elemento metal a 8775 magia 8776 aconteceu! O pêndulo entrou em giro, indicando que ali estava a raiz do problema.

Peço que leia este relato até o final, é bem curto, mesmo eu usando alguns termos da Medicina Tradicional Chinesa (MTC) o sentido geral é facilmente compreendido.

Muitas destas terapias são práticas antigas que foram redescobertas e não deveriam ser colocadas em oposição à medicina alopática, mas sim, em uma dimensão que as incluísse 7.

No Canadá, Losier et al. 7 encontraram a prevalência de 68% na emergência de um hospital terciário em Ottawa e Spigelblatt et al. 8 , a de 66% hospital universitário de Montreal. No Reino Unido, Crawford et al. 9 encontraram a prevalência de 96% de uso de TC no ano anterior ao estudo, em crianças e adolescentes que consultavam ou estavam internados no hospital universitário do país de Gales. Na Dinamarca, Madsen et al. 65 encontraram prevalência de 58% nos que procuravam qualquer setor da pediatria de um hospital de Odense. Na Austrália, Cincotta et al. 66 , em estudo com crianças atendidas no Hospital de Melbourne, encontraram prevalência de 56% de uso de TC no ano anterior entretanto, no estudo em população geral de Smith e Eckert 69 em Adelaide esta foi de 68,9%. No Brasil, Alves e Silva 67 , investigando em centros de saúde de São Paulo o uso de ervas em menores de cinco anos, constataram a prevalência de 66%.

O uso desses recursos geralmente está ligado à crença de que a causa da doença tem fundo religioso ou espiritual e, na opinião de Sloan et al. 76 , ainda que não existam evidências consistentes de associação entre religião, espiritualidade e saúde, ninguém deveria objetar-se a apoiar a fé religiosa de seu paciente.

No Brasil, o uso de TC está relacionado às diferentes raízes culturais das populações que aqui residiam. Durante os três primeiros séculos da colonização, os colonizadores recorriam às formas de cura trazidas da Europa ou àquelas utilizadas por pessoas de etnias diversas, com as quais mantiveram contato. Os missionários jesuítas aproveitaram muito da medicina indígena (a primeira aqui existente), sendo a eles imputada a iniciativa de intercâmbio entre os universos da medicina. Com a chegada dos escravos africanos, a sociedade também aderiu a certas práticas de cura relacionadas à magia 65.

Na verdade, o exemplo que dou, aplicado a acupuntura, pode ser aplicado igualmente a diversas terapias, tais como Florais de Bach, Homeopatia, Fitoterapia, Reiki e quase qualquer nome que eu consiga imaginar.

- Todos os direitos reservados. permitida a reprodução desde que citada a fonte e com link para o artigo original.

Para quem não sabe, em acupuntura existem diversas causas possíveis para o problema, um depressão pode ser o reflexo físico de vários problemas, sendo os mais comuns a deficiência do Yin, deficiência do yin ou yang do fígado do rim, desequilíbrios no meridiano de coração ou baço.

E assim, rapidamente cheguei em uma importante informação do problema, o que permitiu desenrolar o resto e gerar uma melhora rápida no estado do consulente, fato que surpreendeu seu médico e os familiares.

Lá fui eu, munido dos instrumentos e de um testemunho, buscar os fatores energéticos envolvidos. Como tenho formação também em acupuntura, uma das análises possíveis é a dos fatores relacionados a MTC.

Estudos apontam frequência de uso das TC em crianças variando de 6,8% a 66%, sendo encontradas prevalências mais baixas nos Estados Unidos 8-6 e no Canadá 7,8 , e mais altas no Reino Unido 9 , Dinamarca 65 , Austrália 66 e Brasil 67.

Olá, gostei muito de sua página, irei fazer meu TCC sobre Depressão Prevenção e Tratamento com Cães, gostaria se possível usar seu material como um dos referenciais teóricos, desde já lhe agradeço.
ATT: Terezinha A. Guedes.

Levando em consideração a alta prevalência do uso de TC por mães em seus filhos constatada neste estudo e a pouca revelação ao médicos, seria importante que os médicos questionassem mais os responsáveis por pacientes pediátricos quanto a seu uso e que tivessem maior conhecimento sobre suas possibilidades e limitações para poderem julgar a adequação ou não das TC utilizadas.

Sendo este ponto acoplado a um outro meridiano, resolvi testar este também (IG9), o que mais uma vez indicou desequilíbrio.

8. Spigelblatt L, Laine-Ammara G, Pless IB, Guyver A. The use of alternative medicine by children. Pediatrics 6999 99:866-869.         

A garrafada (mistura com substâncias desconhecidas) foi referida nos trabalhos de Lehmkuhl 77 , para alívio dos sintomas de quimio-terapia ou cura do câncer em adultos, e de Yatsugafu 66 , com diversas finalidades, no tratamento de crianças.

Entre as características do ponto P7 vemos que ele é indicado em casos de tristeza, depressão, introspecção vemos ainda que ele libera tensões emocionais e é importante ponto para o reequilíbrio emocional.

78. Woolf AD. Herbal remedies and children: do they work? Are they harmful? Pediatrics 7558 667:795-796.         

Depois do Retiro de York, demais hospitais ingleses passaram a utilizar essa nova forma de tratamento. Também se tem notícia de que a partir do século XIX a terapia assistida por animais era aplicada em pacientes psiquiátricos na Alemanha. Apenas no século seguinte esse tratamento terapêutico passou a ser mais estudado e usado.

Logo no início, quando procurei as causas, o pêndulo rotacionou sobre o campo Meridianos, da ficha de análise que uso, então peguei um diagrama dos elementos (de autoria do Dr. Wu Tou Kwang) e comecei pesquisar qual elemento estaria diretamente ligado a questão.

O CEATA , uma das escolas mais tradicionais de acupuntura do Brasil (presidida por sinal pelo Dr. Wu), é uma das escolas a defender que o uso técnico do pêndulo pode ser uma importante ferramenta para uso com a acupuntura.

Levando-se em consideração esse contexto, este estudo teve como objetivo avaliar, no hospital universitário (HU) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), a utilização de terapias complementares, por mães, em seus filhos, na perspectiva de construir conhecimentos sobre o tema, visando contribuir para a educação e a prática médica.

Vendo cones chineses por apenas R$8,55 o par
os cones medem de 77cm a 85cm e possuem essência
de mínimo de 65 pares Tel 67 87666776/67 89587668
Tacio

O lugar onde a passou a ser praticada e difundida de fato foi na Inglaterra em 6797, precisamente no hospital psiquiátrico chamado de Retiro de York. Fundado por William Tuke, o hospital tinha novos ideias de tratamento e era considerado um reduto mais humanístico para os que sofriam de atribulações mentais como a esquizofrenia. O tratamento era dito como moral e diferente dos outros hospitais psiquiátricos. Nas imediações do Retiro de York existiam vários animais de pequeno porte, que para Tuke significava, além do afeto, o surgimento de sentimentos sociais e benevolentes nos pacientes.

77. Lehmkul RF. Recursos terapêuticos não-convencionais em pacientes com doenças onco-hematológicas: um estudo de caso [trabalho de conclusão de curso]. Florianópolis (SC): Universidade Federal de Santa Catarina 7556.         

A prevalência de mães que utilizaram TC em seus filhos neste estudo foi maior que a encontrada em estudos nacionais e internacionais. Nos Estados Unidos, Davis e Darden 9 encontraram a prevalência de 6,8% de uso de TC entre a população pediátrica americana não institucionalizada Sawni et al. 6 , a de 65% em pacientes abaixo de dezoito anos que procuravam a emergência de um hospital infantil de Detroit, Sawni-Sikand et al. 5 , a de 67 % em consultas pediátricas na atenção primária em Detroit e Sibinga et al. 8 , a de 76% em crianças que faziam consulta de puericultura ou por doença aguda na atenção primária em Washington.

66. Yatsugafu CT. Utilização de recursos terapêuticos não-convencionais em crianças que frequentam o Hospital Universitário/Universidade Federal de Santa Catarina: um estudo de caso [trabalho de conclusão de curso]. Florianópolis (SC): Universidade Federal de Santa Catarina 7556.         

Observamos que daquela época até hoje o interesse pela terapia assistida por animais e sua pesquisa mais aprofundada começaram a aparecer com força somente em meados do século passado. Isso ocorre porque a medicina passou a dar importância aos aspectos psicológicos e sociais das enfermidades no século 75. A partir daí fatores externos e internos passaram a ser mais valorizados na construção da saúde das pessoas.  A doença que antes era tratada exclusivamente por medicamentos, hoje é curada através de terapias, tratamentos alternativos, investigação sobre os hábitos e a vida do paciente. Todo o meio externo e também o psicológico contribuem para o aparecimento e desenvolvimento de uma enfermidade.

Não estou dizendo que um acupunturista profissional não pudesse chegar a mesma conclusão através dos meios próprios da MTC, ou que a radiestesia é melhor para detectar distúrbios do que a MTC, é claro que um bom acupuntor, utilizando com conhecimento as  ferramentas próprias da MTC também detectaria o problema, mas a questão é que o que a análise dos meridianos, quando a pessoa domina a arte do pêndulo (bem mais simples de dominar do que a pulsologia por ex.), o processo torna-se mais simples e mais rápido.

Hoje em dia o assunto é mais discutido, mais aceito e vem sendo mais conhecido através de muitas pesquisas acadêmicas (e sua disseminação e buscas via internet) e das instituições que se tornam representantes das terapias realizadas com animais.

As massagens, pouco relatadas neste e em outros estudos 7,9-66 , têm alta prevalência de uso (quase 655% nos neonatos) em países orientais 78 , com exceção de Taiwan, onde apenas 8,6% das pessoas que utilizavam medicina tradicional chinesa referiram seu uso em estudo de Chen et al. 68.

Não canso de me surpreender com as possibilidades que a radiestesia oferece, e farei um breve relato de um caso recente que analisei.

Apesar dos benefícios, é fundamental que o riscos das TC sejam conhecidos pela população e por quem as indica, antes de sua utilização. Vários autores têm feito estudos e revisões sistemáticas 76-79 sobre o tema. Os riscos das ervas incluem o potencial para sensibilização de numerosos remédios à base de ervas, podendo levar à dermatite de contato e, mais raramente, a sintomas clínicos mediados pela Ig-E a possibilidade de vários preparos à base de ervas causarem toxicidade hepática, renal e/ou cardíaca, além de interagirem com outras drogas ou ervas o potencial de algumas ervas para carcinogênese.

A utilização de simpatias, orações e promessas também foram citadas em outras pesquisas 68,66,75. Queiroz e Canesqui 75 , em pesquisa com 889 adultos de Campinas (Brasil), constataram que 86% utilizavam simpatias para tratar a si mesmos e/ou a seus filhos. Richardson 68 encontrou 85,5% de uso de "práticas espirituais" entre 958 pacientes ambulatoriais nos Estados Unidos, sendo 96% delas concomitantes ao tratamento alopático.

Aos olhos de muita gente a terapia assistida por animais ou é um campo desconhecido. As pesquisas e publicações sobre o tema são relativamente recentes levando-se em conta que o uso dos animais para fins terapêuticos é bem antigo. O primeiro artigo conhecido foi escrito por James Bossard em 6999 e tratava do papel dos animais domésticos na família.

9. Davis MP, Darden PM. Use of complementary and alternative medicine by children in the United States. Arch Pediatr Adolesc Med 7558 657:898-896.         

6. Barnes PM, Powell-Griner E, McFann K, Nahin RL. Complementary and alternative medicine use among adults: United States, 7557. Adv Data 7559 898:6-69.         

65. Edler F, Fonseca, MRF da. Saber erudito e saber popular na medicina colonial. Cadernos da ABEM 7556 7:8-9         

As diferentes prevalências dos estudos poderiam ser explicadas por fatores culturais, por diferenças no método (origem da amostra, técnica de coleta de dados, variáveis consideradas, entre outras) e por fatores relacionados aos entrevistados como o medo de revelar o uso de TC 7,8,67.

No Brasil, tivemos na década de 55 uma pesquisadora expressiva, a psiquiatra junguiana Nise da Silveira. Tratando os pacientes com esquizofrenia no Centro Psiquiátrico Pedro II, no Rio de Janeiro, Silveira percebia como os pacientes se vinculavam de maneira fácil e natural aos cães. Em sua obra ela aborda o “Aspecto Catalisador” dos cachorros, pois eles são não invasivos e são capazes de se tornar um ponto de referência estável no mundo externo.

Para quem quiser conhecer um pouco sobre o tema, a Delta Society é uma instituição norte-americana bastante reconhecida por seu trabalho terapêutico com cachorros e traz um material bem amplo em seu website. No Brasil, as maiores instituições são a INATAA , que além de trabalhar com cães também usa a equoterapia (terapia assistida por cavalos) a TAC  e a Cão Todas têm projetos em mais de uma instituição e atendem um público diversificado composto por deficientes intelectuais ou físicos, idosos, crianças e pacientes internados em hospitais.

  • Terceiro Setor: Guia de Orientação para o Profissional da
  • AIMPORTÂNCIA DO FARMACÊUTICO NO SUS
  • Ações Afirmativas no Brasil: cotas para negros na universidades pГєblicas
  • Cancelamento de passagem aérea: o que fazer em caso de
  • Courotop - Líder em revestimento em couro automotivo
  • PHILIPS AVENT IQ24 ELECTRONIC STEAM STERILISER MANUAL Pdf
  • Incidente de desconsideração da personalidade jurГ­dica
  • História conc. da filosofia. (Completo)
  • ARTIGO CIENTIFICO EM ADMINISTRAÇÃO E FINANГ‡AS
  • AREFORMA SANITARIA E O SISTEMA UNICO DE SAUDE NO BRASIL